Delatores afirmam que Collor recebeu mais de R$20 milhões em propina

Collor presta depoimento ao STF em processo da Lava Jato. Ação corre em segredo de Justiça

Durou mais de uma hora o interrogatório do ex-presidente da República e senador Fernando Collor (Pros-AL) na manhã de hoje (13) no Supremo Tribunal Federal. Collor se tornou réu em 2017, quando a 2ª Turma da Corte aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e comando de organização criminosa na Operação Lava Jato.

A audiência conduzida por um juiz designado pelo ministro Edson Fachin, relator do processo, ocorreu a portas fechadas. Ao final, Collor e a advogada criminalista Livia Novak deixaram o local por acesso privativo sem falar com a imprensa.

Conforme delatores ouvidos pelo Ministério Público, o senador recebeu mais de R$ 20 milhões em propina para facilitar contratos da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. Os supostos pagamentos reparados pelo doleiro Alberto Youssef, seu auxiliar, Rafael Ângulo e pelo dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, foram feitos entre 2010 e 2014.

*Com informações da Agência Brasil

Veja também:

“Novo” senado federal repete velhas práticas e arquiva pedido de CPI da “Lava Toga”

News Reporter

1 thought on “Delatores afirmam que Collor recebeu mais de R$20 milhões em propina

  1. Quando Collor saiu candidato a Presidente da República, as mulheres em geral, inclusive uma irmã mais nova que tinha à época, votaram nele e ela afirmou-me, quando tentei fazê-la mudar de ideia, que “corrupto por corrupto pelo menos vou ver um homem bonito na TV.

    Argumentei todos os problemas que poderia nos trazer, devido aos seus atos de adolescente, aos quais não respondeu, por influência e interferência de seu pai.

    Ela disse: ele não poderá baixar meu salário mesmo, por causa da lei, e redargui-lhe, mas pode faze-la perder o emprego.

    Ela riu e trabalhou muito para Collor por ser bonito alegava ela, coisa que não achava, porque beleza vai além de aparência e a dele nem era tanto assim, e ele foi eleito e mostrou a que veio. O que qualquer pessoa com um mínimo de consciência política sabia de antemão.

    Recebeu o Impeachment, não sem antes fechar bancos, um dos quais o que minha irmã trabalhava, a mesma que nele votou porque ele não baixaria seu salário, e não reduziu mesmo, tirou-lhe totalmente o salário, junto o emprego.

    Mas brasileiro é ignorante mesmo e memória não tem nenhuma.

    Collor, passado o período do impeditivo legal (que o Ministro do STF, no caso da Dilma, ignorou, ferindo-o de morte, não lhe cassando os direitos políticos pelo prazo e na conformidade da Constituição Federal), candidatou-se e foi eleito e reeleito e quantas vezes candidatar-se vai ser reeleito,pelo visto. Em Goiás tivemos dois casos assim. Corruptos, um dos quais cassado no final da década de 1960 ou início da de 1970,escoado o impedimento constitucional, voltou a se reeleger quantas vezes quis, e, aliás, ocupa cargo eletivo, hoje, aqui mesmo, e todos eles repetem suas ações criminosas em detrimento do povo.

    “Pau que nasce torto, não tem jeito, morre torto”, do adágio popular. Concordo

    Vamos ver se deixam Bolsonaro, sua Equipe de Governo, e políticos bem intencionados, honrados e íntegros, inclusive espera-se da nova leva, viverem e trabalharem para moralizar esse Brasil. Porque é triste demais viver como vivemos, em meio a tanta podridão em todos os Poderes da República, dificultando a vida dos honestos, íntegros e de caráter que querem o bem do País.

    Zengoldabil
    Goiânia,13/FEV/2019,17:16h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *