Toffoli se reúne com Bancada Evangélica para discutir criminalização da homofobia

Parlamentares da Bancada Evangélica estiveram reunidos nesta terça-feira (12) com o presidente do STF, ministro Dias Toffoli,  e falaram sobre a criminalização da homofobia.

De acordo com o deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), Toffoli ouviu as revindicações dos parlamentares e se comprometeu em repassá-las aos seus pares.

Ao que tudo indica, pela pauta ter sido proposta pelo ministro Celso de Mello, relator de uma das duas ações que chegaram ao Supremo, não é possível tirá-la de pauta.

Toffol, no entanto,  tranquilizou os parlamentares e muito provavelmente a proposta não será debatida neste momento.

“Esperamos que o presidente do STF atenda nosso apelo, e não usurpe a competência dessa matéria da criminalização da homofobia, esse assunto é do parlamento e não do STF”, defende Cavalcante.

De acordo com o Estadão Dias Toffoli antecipou à bancada evangélica que o julgamento sobre a homofobia será interrompido.

“A bancada evangélica saiu do encontro com o presidente do Supremo ontem convencida de que algum ministro pedirá vista da ação sobre a criminalização da homofobia, retardando uma definição sobre o assunto.”

Veja também:

Receita aceita pedido de Toffoli para investigar auditores que instauraram apuração contra Gilmar Mendes

News Reporter

1 thought on “Toffoli se reúne com Bancada Evangélica para discutir criminalização da homofobia

  1. Na década de 1970, conhecendo pessoalmente um Juiz da Comarca de Goiânia, indaguei dele, que aceitou receber-me fora de audiência, por deferência, se podia falar com ele sobre um processo, e ele, rápida e educadamente, antes mesmo que lhe manifestasse o assunto, respondeu-me:

    A Senhora sabe, Doutora, que um Juiz não pode discutir nada de um processo, sob pena de ter que arguir a própria suspeição, fora dos próprios autos, e que, o que precisar manifestar-se, faça-o através da competente petição”.

    Meu rosto queimou e nem sei que cor ficou, mas o MM. Juiz, também sem jeito, voltara os olhos para os autos que analisava e não deve ter visto como senti-me envergonhada de ter ido à sua presença, valendo-me de conhecimento anterior às nossas profissões e posições no momento. NUNCA MAIS ESQUECI AQUELA LIÇÃO!

    Peticionei justificando a urgência da decisão daquele Juízo nos autos, reconhecendo que são centenas de processos pela escassez de juízes, que nem sempre conseguiam cumprir os prazos, mas expus os fatos e deixei claro que a perlenga posta a deslinde, em suas mãos, necessitava de andamento célere, sob pena de perder a eficácia.

    O Juiz ao qual dirigi-me era de Primeira Instância!

    Hoje, Ministro do STF, a Suprema Corte de nosso País, comportando-se como Legislador, seja Deputado, seja Senador, mas como Político, na verdade, reúne-se e ADIANTA A DECISÃO, o que piora o caso, com grupos de pessoas para tratar de processo em andamento naquela Corte de Justiça! De Justiça???!!!!

    É o fim do mundo, diria Papai, digo, é o fim do respeito à Independência dos Poderes, às suas competências próprias, e ingerência onde não tem o direito de intervir, exceto nos casos previstos em lei. É O CAOS IMPLANTADO POR QUEM DEVERIA PROTEGER E RESPEITAR NOSSO ORDENAMENTO JURÍDICO!

    M.A.Godoy.
    GOIÂNIA, 14/02/2019,00:19h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *