Caminhoneiros começam a marcar nova greve em grupos de WhatsApp

Caminhoneiros autônomos começam a organizar  nova paralisação da categoria contra o descumprimento do piso mínimo do frete.

A greve aconteceria em 22 de janeiro, dois dias depois da reunião que deve ocorrer na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para discutir o reajuste da tabela de frete.

Para encerrar a greve dos caminhoneiros de maio, o governo Michel Temer aceitou uma série de exigências, como a criação da tabela com preços mínimos do frete e redução do preço do diesel.

O problema, segundo lideranças da categoria, é que a maioria das empresas descumpre a tabela e não sofre nenhuma punição, pois falta fiscalização da ANTT. “Pouquíssimas empresas pagam o piso mínimo, talvez uns 2%.O restante continua igual, paga o que quer”, afirma Ivar Luiz Schmidt, porta-voz do Comando Nacional do Transporte.

Agora, os caminhoneiros querem que a ANTT condicione a emissão do código identificador de operação de transporte (Ciot) ao cumprimento da tabela de piso mínimo do frete. Sem esse código, o caminhão não pode carregar a carga.

Segundo ele, a data de 22 de janeiro foi escolhida porque seria o tempo necessário para discutir o piso mínimo do frete, que será alvo de uma reunião no dia 20. “Se nada for feito até o dia 22, vamos ter que parar.”

O caminhoneiro afirma que o aviso de paralisação está sendo disseminado em grupos de WhatsApp com grande apoio dos caminhoneiros. “Não temos como sustentar nossas famílias, por isso tem tanto caminhão velho e sem condições rodando por aí.”  completou

Com informações da Veja

News Reporter

1 thought on “Caminhoneiros começam a marcar nova greve em grupos de WhatsApp

  1. Entretanto, antes, porem, todavia, que as lideranças dos caminhoneiros, conversem com o novo governo sobre o assunto e encontrem uma solução para o problema. OS CAMINHONEIROS NÃO PODEM FAZER IGUAL AOS ‘supremos’ SENHORES SERVIDORES PÚBLICOS, QUE AUMENTAM SEUS SALÁRIOS, MESMO QUE ISSO SIGNIFIQUE MAIS PROBLEMA PARA O BRASIL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *