Governo declara que MST não existe: “Acabou o diálogo”

O novo ouvidor do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), o coronel do Exército João Miguel Souza Aguiar Maia de Sousa, enviou um memorando-circular nesta última quinta (21) a todas as superintendências do órgão com a orientação de que seus subordinados não mais recebam entidades ou representantes que “não possuam personalidade jurídica”.

Ou seja, na prática, acabou o diálogo com o movimento terrorista do MST. No mesmo documento, o coronel afirma que “não deverão ser atendidos invasores de terras, estes devem ser notificados conforme a lei”.

A ordem do coronel é que a orientação seja repassada pelos superintendentes a todos os chefes de divisão e executores das unidades do órgão no país inteiro.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o general presidente do Incra, João Carlos de Jesus Corrêa, que indicou o coronel para o órgão, disse:

“A minha concepção sobre essa questão é que nós vamos manter um diálogo com aquelas entidades que possuem existência, com identidade jurídica. Essa é uma condição sine qua non. E, para interlocução, outra questão imperativa considerada é que a entidade não esteja à margem da lei e que esteja dentro do processo nacional dentro da legalidade”

Abaixo o comentário de Augusto Nunes, Felipe Moura Brasil e José Maria Trindade:

News Reporter

2 thoughts on “Governo declara que MST não existe: “Acabou o diálogo”

  1. Essa quadrilha teve todo apoio da esquerda , no sentido de concretizar a visão de Lenin sobre a conquista de um país para implementação do socialismo e/ou comunismo. Esses grupos tiveram ampla defesa nos governos petistas e, agora, sem o apoio financeiro do dinheiro arrecadado via propina, perdem sua força e se esvaziam. Seus líderes são verdadeiros facínoras e, no decorrer do tempo, responderão na forma da lei.

  2. ATÉ QUE ENFIM apareceu um governo dizendo: MST não existe, portanto, não vou conversar com fantasma!
    Eita Bolsonaro! A cada dia me convenço mais que votei certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *