Reconhecimentos foram feitos através de análises de arcadas dentárias ou das digitais dos atletas.

Tio de vitima desabafa “Tão queimado que não conseguem reconhecer”.

Sete dos dez corpos das vítimas do incêndio no alojamento das categorias de base do Flamengo, no Ninho do Urubu, haviam sido identificados até o início da noite deste sábado pelo Instituto Médico Legal (IML) do Rio. Todos os reconhecimentos foram feitos através de análises de arcadas dentárias ou das digitais dos atletas. Os legistas conseguiram identificar os corpos de Arthur Vinícius, Bernardo Pisetta, Pablo Henrique, Vitor Isaías, Gedson Santos, Áthila Paixão e Christian Esmerio.

Três corpos ainda não haviam sido reconhecidos até a noite deste sábado – são eles Jorge Eduardo dos Santos, Rykelmo Viana e Samuel Thomas. Segundo a Polícia Civil, a identificação por DNA é considerada a última alternativa: os médicos legistas tentam evitar esse procedimento, que é mais demorado e não tem prazo certo para terminar. Outros 13 jovens conseguiram escapar das chamas sem ferimentos.

Sebastião Rodrigues, tio de Samuel Thomas, desabafava no hotel onde a direção do Flamengo hospedou os familiares das vítimas. “O corpo está tão queimado, tão queimado, que nem o IML consegue identificar”, explicou.

*Com informações do Estadão.

Veja também:

CT do Flamengo chegou a ser interditado em 2017 por falta de alvará e tinha quase 30 multas

News Reporter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *