Jornalista da Globo é afastada de cobertura na tragédia em Brumadinho

Quem está acompanhando pela televisão as novidades no caso do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, Minas Gerais (MG), deve ter reparado que Isabela Scalabrini não apareceu mais nas entradas ao vivo da Globo.

Pois é. A jornalista que foi escalada para ser a correspondente da tragédia teria sido afastada devido à repercussão negativa de sua cobertura no primeiro dia de reportagens, em 25 de janeiro.

De acordo com o site “Natelinha”, a direção de jornalismo da emissora carioca afastou a repórter da cobertura após suas abordagens aos entrevistados do caso. Ainda segundo a publicação, a profissional estaria abalada com a decisão.

Para quem não acompanhou, Isabela foi alvo de críticas nas redes sociais e chegou a deletar seus perfis no Twitter e Instagram após reações negativas sobre seu comportamento.

Durante a cobertura, a jornalista descrevia a situação dos corpos encontrados, surpreendeu parentes das vítimas desaparecidas para entrevistas ao vivo, e ainda entrou na sala da Polícia Civil enquanto os profissionais trabalhavam para auxiliar na tragédia.

Ela está na Globo Minas desde 1988, e atualmente apresenta o “MGTV 1ª Edição”, além de fazer reportagens externas.

Equipe de TV recebe voz de prisão em Brumadinho

One Reply to “Jornalista da Globo é afastada de cobertura na tragédia em Brumadinho”

  1. Absurdo, isto é perseguição ao direito da informação. Quantas denúncias foram reveladas por jornalistas que tiveram ousadia em ir onde nem sequer os investigadores (ue tem o dever investido) não vão, isto por ser perigoso, dificil acesso ou por tantos outros motivos. Isabela não precisa provar seu valor, bem como o jornalismo da emissora Globo, o qual já foi cenário de denúncias políticas, criminais, ambientais. mostraram problemas na educação, programas governamentais. Como profissionais que garantem a sociedade o direito de ter acesso a informação, devem ter assegurado o direito de entrar em repartições públicas, de investigar, de conversar com vítimas, profissionais, afinal, como trazer uma notícia isenta, fiel aos fatos, sem que se respeitem tais garantias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *